Sara Figueiredo Costa, Canal de Livros, 2001.
Print

Acabado de surgir nas estantes das livrarias, o primeiro livro de ficção de Eduardo Pitta surpreende pela forma, inédita em Portugal, de abordar a chamada temática gay. Persona compõe-se de três histórias, contos «morais» segundo o próprio autor, em que a complicada teia das relações humanas se constrói sobre os alicerces de uma homossexualidade assumida e afirmada pelo protagonista. Em Marilyn, a história que abre o livro, assistimos ao sereno processo de assumpção e descoberta da sexualidade de Afonso, adolescente, em contraste doloroso com a veemente repressão social desempenhada [...] pela instituição escolar. [...] Kalahari, nome de deserto e título da segunda história [...] é o cenário de uma viagem de carro que se desdobra em percurso através da solidão momentaneamente quebrada [...] Em Pesadelo [...] deparamo-nos com [um] retrato bem construído do ambiente militar em Moçambique cerca de dois anos antes da revolução dos cravos [...] corte certeiro em tudo o que a caserna enquanto comunidade pode esconder [...].